Dirofilariose

A Dirofilariose é uma doença causada pelos parasitas Dirofilaria immitis e Dirofilaria repens, nemátodes, cujo estado larvar é caracterizado por microfilárias (larvas pequenas). Estes parasitas têm como hospedeiro definitivo os cães, no entanto, podem ser transmitidos para gatos, acidentalmente. Para além deste parasita representar um perigo para os seus animais, trata-se de uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida para o humano através do vector, o mosquito (Aedes sp., Anopheles sp. e Culex sp.).

Atualmente, a Dirofilaria repens, é de pouca importância em Portugal, sendo poucos os casos reportados. Neste parasita, as larvas migram para o tecido subcutâneo onde ficam 5-10 anos, até morrerem. Ao longo desse tempo vão libertando as microfilárias na corrente sanguínea, que apenas completam o ciclo de vida quando inocularem o vector. O perigo com este parasita é a presença de localizações erráticas (locais do corpo que não permitem que o ciclo de vida ocorra, mas ainda assim, tendo efeitos nefastos na saúde do animal). Os sinais clínicos são a presença de nódulos dolorosos na pele, e pode ser prevenido pela utilização de ectoparasiticidas de largo espectro.

 

Dirofilaria immitis:

Ao picar, o mosquito, inocula o tecido subcutâneo do cão com as microfilárias L3, estas migram até ao músculos do toráx onde continuam o ciclo de vida até atingirem a fase pré-adulta (L5). Neste momento, penetram no coração direito através da corrente sanguínea, alojando-se nas artérias pulmonares durante cerca de 7 semanas, quando voltam para o ventrículo direito através de migração retrógada, tornando-se adultos e reproduzindo-se.

Os parasitas adultos vivem durante 4-5 anos, mas as femêas perdem prolificidade após cerca de 3 anos. As microfilárias podem ser transmitidas através da lactação e placenta, para a descendência, no entanto, não conseguem terminar o ciclo de vida, pois precisam do vector sem o qual acabam por morrer.

 

Qual a patogenia deste parasita?

A dirofilariose causada pela Dirofilaria immitis divide-se em duas fases consideradas decisivas:

  • A chegada e alojamento das L5 nas artérias pulmonares: os primeiros sinais clinícos surgem 3 a 6 meses após a infecção. O trauma causado pelas L5, a libertação de fatores tóxicos e acção do sistema imune resulta em alterações na vasculatura pulmonar levando a uma hipertensão pulmonar. Alguns meses mais tarde, esta hipertensão pulmonar resulta na hipertrofia (aumento) do ventrículo direito, e consequentemente, insuficiência cardíaca congestiva, acompanhada por acumulação de fluídos intersticiais no abdomén e membros.

  • Morte dos nematodes adultos: provoca uma forte resposta imunitária por parte do hospedeiro, resultando na formação de fibrose (cicatrização) nas artérias pulmonares, o que aumenta muito a probabilidade da ocorrência de trombos, que levam a tromboembolismos pulmonares e enfartes. Esta situação pode ocorrer devido ao uso de fármacos para tratamento (adulticidas) ou causas naturais. O uso de adulticidas é considerado mais perigoso, pois existe a morte súbita de uma grande quantidade de adultos que facilmente podem comprometer o fluxo sanguíneo.

Na presença de cargas parasitárias elevadas, a válvula tricúspide (válvula que divide átrio direito do ventrículo direito) fica comprometida, e em conjunto com a hipertensão pulmonar resulta no aumento do fígado, destruição dos glóbulos vermelhos e frequência cardíaca diminuída.

Além do que está descrito acima, existe ainda uma relação estreita entre o nemátode e uma bactéria (Wolbachia). Esta tem um papel indispensável na sobrevivência do parasita, mas a sua interacção com o hospedeiro tem um elevado papel na patogenia da doença pulmonária relacionada com Dirofilaria immitis – existem evidências que a resposta inflamatória ao nível das artérias pulmonares se deve principalmente à bactéria e não ao parasita em si, e que mesmo após a erradicação do parasita, a resposta inflamatória mantém-se.

 

Sinais clínicos:

Esta doença é maioritariamente assimptomática, no entanto, em casos crónicos, pode manifestar-se por:

  • Alterações comportamentais (cães ficam agitados ou apáticos);

  • Perda de peso;

  • Relutância á prática de exercício;

  • Acumulação de fluídos no abdómen e membros;

  • Desmaios;

  • Dificuldade respiratória;

  • Tosse (com ou sem sangue).

 

Se suspeitar que o seu animal apresenta algum dos sintomas assim, leve-o ao veterinário.

 

Prevenção

A prevenção da dirofilariose pode ser feita através do uso de pipetas ou coleiras que protejam contra a picada do mosquito; existem também comprimidos palatáveis que atuam ao nível das microfilárias, e por fim, existe uma injecção preventiva. O tratamento de prevenção deve ser iniciado um mês antes do início da época do mosquito, e até um mês depois.

Antes de tomar uma decisão sobre qual o melhor método a seguir, informe-se junto do seu veterinário, sobre os benefícios e riscos de cada opção.

Algo que poderá ajudar a prevenir a transmissão destas doenças indiretamente, é impossibilitando a reprodução dos mosquitos em corpos de água parados. Exija que a sua Junta de Freguesia mantenha os esgotos limpos para que a água possa correr livremente, e procure não deixar corpos de água parada junto a sua casa (baldes, entre outros).

Dirofilariasis

Dirofilariosis is a disease caused by the parasites Dirofilaria immitis and Dirofilaria repens, nematodes, whose larval stage is characterized by microfilariae (small larvae). These parasites have as definitive host the dog, however, they can be transmitted to cats, accidentally. This parasite as well as representing a danger for your animals, it is a zoonosis, that is, it can be transmitted to the human through its vector, the mosquito (Aedes sp., Anopheles sp. And Culex sp.).

 

Currently, Dirofilaria repens is of little importance in Portugal, and few cases are reported. In this parasite, the larvae migrate to the subcutaneous tissue where they stay 5-10 years, until they die. During this time they release the microfilariae into the bloodstream, which only complete the life cycle when they inoculate the vector. The danger with this parasite is the presence of erratic locations (body sites that do not allow the life cycle to occur but still have detrimental effects on the animal's health). The clinical signs are the presence of painful nodules in the skin, and can be prevented by the use of broad-spectrum ectoparasiticides.

Dirofilaria immitis:

When the mosquito bites, it inoculates the subcutaneous tissue of the dog with the microfilaria L3, these migrate to the muscles of the thorax where they continue the life cycle until they reach the pre-adult stage (L5). At this point, they enter the right heart through the bloodstream, and lodge themselves in the pulmonary arteries for about 7 weeks, when they return to the right ventricle through retrograde migration, becoming adults and reproducing.

Adult parasites live for 4-5 years, but females lose prolificity after about 3 years. Microfilariae can be transmitted through the lactation and placenta to the offspring; however, they can not finish the life cycle because they need the vector, without which they eventually die.

What is the pathogenesis of this parasite?

The heartworm disease is divided into two phases considered decisive:

  • The arrival and lodging of L5 in the pulmonary arteries: the first clinical signs appear 3 to 6 months after infection. The trauma caused by L5, the release of toxic factors and action of the immune system results in changes in the pulmonary vasculature leading to pulmonary hypertension. A few months later, this pulmonary hypertension results in hypertrophy (enlargement) of the right ventricle, and consequently, congestive heart failure, accompanied by accumulation of interstitial fluids in the abdomen and limbs.

  • Death of adult nematodes: causes a strong immune response by the host, resulting in fibrosis (scarring) formation in the pulmonary arteries, which greatly increases the likelihood of thrombus, leading to pulmonary thromboembolism and strokes. This can occur due to the use of drugs for treatment (adulticides) or natural causes. The use of adulticides is considered more dangerous because there is sudden death of a large number of adults who can easily compromise blood flow.

In the presence of high parasitic loads, the tricuspid valve (valve that divides the right atrium of the right ventricle) is compromised, and together with pulmonary hypertension results in increased liver, red blood cell destruction, and decreased heart rate.

 

In addition to what is described above, there is also a close relationship between the nematode and a bacterium (Wolbachia). This has an indispensable role in the survival of the parasite, but its interaction with the host has a high role in the pathogenesis of Dirofilaria immitis related pulmonary disease - there is evidence that the inflammatory response at the level of the pulmonary arteries is mainly due to the bacterium and not to the parasite itself, and that even after parasite eradication, the inflammatory response remains.

 

Clinical signs:

This disease is mostly asymptomatic; however, in chronic cases, it can be manifested by:

  • Behavioral changes (dogs become agitated or apathetic);

  • Weight loss;

  • Reluctance to exercise;

  • Accumulation of fluid in the abdomen and limbs;

  • Fainting spells;

  • Respiratory distress;

  • Cough (with or without blood).

If you suspect that your pet has any of these symptoms, take him to the vet.

 

Prevention

The prevention of heartworm disease can be done through the use of pipettes or collars that protect against mosquito bites; there are also palatable tablets that act at microfilariae level, and finally, there is a preventive injection. Prevention treatment should be started one month before the start of the mosquito season, and up to one month later.

 

Before deciding on the best method to follow, contact your veterinarian about the benefits and risks of each option.

 

Something that may help prevent the transmission of these diseases indirectly, is making it impossible to reproduce mosquitoes in still bodies of water. Demand that your Town Council keeps the sewage system clean so that water can run freely, and make sure that no standing water bodies are left near your house (buckets, among others).

Fontes de informação:                         Information sources:

http://www.fmv.ulisboa.pt/spcv/PDF/pdf12_2014/70-78.pdf

http://medvet.dgav.pt/RCM/Index/1573